Categoria: Artigos Bíblicos

OS ADVENTISTAS GUARDAM O SÁBADO?

Os Adventistas e o Sábado

Os Adventistas realmente guardam o sábado?

Aquele que profanar o Sábado do Senhor certamente morrerá?

Lendo alguns artigos na internet sobre o Sábado do Senhor, deparei-me com um bem interessante. Em resumo, o artigo dizia que os Adventistas que não guardassem o Sábado como disposto no texto de Êxodo 31. 14, certamente morreriam. Antes de entrarmos nos comentários, devemos entender que, profanar significa realizarmos as nossas obras seculares no Sábado (Números 15. 32-36), e não as obras de Deus. Continue Lendo...

DO SÁBADO PARA O DOMINGO

Do Sábado para o Domingo

Qual o dia em que devemos guardar, o Sábado ou o Domingo?

Introdução: O mundo cristão tem observado dois dias diferentes. De um lado, a maioria dos cristãos observa com sinceridade o domingo, o primeiro dia da semana, acreditando que é um memorial da ressurreição de Cristo. De outro lado, um grupo de cristãos, igualmente sinceros, crêem que a Bíblia honra apenas o sétimo dia como o sábado do Senhor.

Bem, então em algum momento da história alguém fez a mudança do dia de guarda.

• Como isto aconteceu?
• Quem mudou o descanso do sábado, o sétimo dia da semana, para o domingo, o primeiro dia da semana?
• Será que Deus, Cristo, ou talvez os apóstolos, fizeram essa mudança?
• Será que a Bíblia autoriza essa mudança? Continue Lendo...

A POLÊMICA SOBRE O SÁBADO

A polêmica sobre o Sábado

Sábado o 4º mandamento da Lei de Deus

Para entendermos melhor está polêmica sobre o Sábado, devemos inicialmente entender qual o significado desta palavra.

Em Hebraico – shabãt
Em Latim – sabbatum
Em Português – sábado

A palavra Sábado significa descanso. Assim, Sábado = descanso

Devemos entender também que na palavra de Deus existem duas formas de descanso, ou seja:

a) O descanço (Sábado) da lei moral e eterna de Deus (Os Dez Mandamentos – Êxodo 20. 1-17), onde o Sábado (descanso) de Deus está inserido no 4º mandamento (Êxodo 20. 8-11), e devemos guardá-lo todas as semanas no sétimo dia. Continue Lendo...

OS DOIS GRANDES MANDAMENTOS DE DEUS

Os dois grandes mandamentos de Deus

Pergunta: Porque Deus escreveu os Dez Mandamentos em duas tábuas de pedra ao invés de uma, afinal todos os dez mandamentos caberiam facilmente em uma só tábua, facilitando assim o seu manuseio.

Se analisarmos o texto bíblico que está em Mateus 22. 34 a 40, logo entenderemos o motivo de duas tábuas ao invés de uma. Vejam a passagem bíblica:

O maior dos Mandamentos

Mateus 22. 34-40: “E os fariseus, ouvindo que ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar. E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo: Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas“. (este texto encontra-se também em Marcos 12. 28-34). Continue Lendo...

A LEI MORAL FOI ABOLIDA POR JESUS?

Os Dez Mandamentos, a lei moral de Deus (Êxodo 20. 1-17), foi mesmo abolida no novo testamento por Jesus?

01 – Vejamos o que Jesus disse em Mateus 5. 17-20: “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido”.

Vejam outra passagem bíblica envolvendo Jesus e o sétimo mandamento, não adulterarás.

Mateus 5. 27-28: “Ouvistes o que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo, que qualquer um que até mesmo olhar para uma mulher (atentar) com cobiça nos olhos, em seu coração já cometeu adultério com ela”. Continue Lendo...

A LEI DE DEUS

Onde surgiu a Lei?

Esta pergunta simples é de vital importância para a compreensão da Salvação e da função da graça de Cristo. Alguns erroneamente pensam que a Lei e os Dez mandamentos, surgiram com Moisés no monte Sinai.

A Lei sempre existiu

A Lei, seja ela resumida em dez preceitos (Êxodo 20:3-17) ou em apenas dois (Marcos 12:29-31), existe desde antes da criação do nosso mundo, ou melhor, antes da criação do universo, ou ainda, existe desde a eternidade. E, como nós sabemos, a Lei é baseada no caráter de Deus, é a Lei do Amor. Continue Lendo...

CONHECENDO DEUS PESSOALMENTE

Conhecendo Deus pessoalmente

O que é preciso para se iniciar um relacionamento com Deus?

Esperar que um raio caia? Devotar-se a obras de caridades em diferentes religiões? Tornar-se uma pessoa melhor para ser aceita por Deus? NADA disso. Deus deixou muito claro na Bíblia como podemos conhecê-lo. Aqui estão Quatro Princípios que irão explicar como você pode iniciar um relacionamento pessoal com Deus, agora mesmo…

PRIMEIRO PRINCÍPIO: Deus ama você e tem um plano maravilhoso para sua vida.

O AMOR DE DEUS

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16). Continue Lendo...

SERVIÇO DO SANTUÁRIO TERRESTRE

Introdução Provavelmente, todo estudante das Sagradas Escrituras já passou pela experiência de, ao decidir estudar a Bíblia na sua totalidade (por exemplo seguindo o “ano bíblico”), sentiu um profundo desânimo ao enfrentar livros tais como Levítico ou Deuteronómio devido à grande quantidade de leis e descrições cerimoniais que eles contem. Ao depararem-se com tal situação, alguns perguntam-se que proveito pode ter, para o cristão do século vinte e um, estudar as cerimónias praticadas pelos israelitas num passado tão distante? Como pode o estudo de tais assuntos dar satisfação à alma do crente? Múltiplas razões podem ser colocadas. Primeiro, devemos notar que estando a vida religiosa do povo de Israel centrada no santuário, referências ao sistema ritual permeiam todas as Escrituras. Encontramos conceitos relativos ao santuário não só no Pentateuco, mas também nos Salmos, nos livros históricos, nos profetas e até mesmo no Novo Testamento. Há algumas passagens bíblicas que não podem ser totalmente compreendidas a menos que tenhamos algum conhecimento do Santuário e suas cerimónias. Um exemplo se encontra em Mateus 26:63-65. Perante a declaração de Jesus afirmando ser o Messias, o Sumo Sacerdote Caifás rasgou as suas vestes, atitude que lhe era proibida sob pena de morte (Levítico 21:10 e 10:6). Temos então que o verdadeiro condenado a morte era Caifás e não Jesus (Na verdade, este fato já invalidava o sacerdócio Levítico para ser substituído pelo sacerdócio eterno de Jesus). Em segundo lugar, por ser o sistema cerimonial uma representação tridimensional do evangelho, compreendemos que seu estudo pode significar um maior entendimento de verdades eternas, especialmente, da obra que Cristo realizou e está realizando em nosso favor. Uma terceira razão para o estudo do Santuário é o fato de que muitas das profecias de Daniel e Apocalipse estão cheias de símbolos relacionados ao Santuário, logo se queremos entender as profecias devemos entender o Santuário. As razões anteriores são válidas para todos os cristãos independentemente da sua denominação. Mas para os Adventistas do Sétimo Dia há uma razão adicional para o estudo do Santuário. Toda a estrutura teológica da Igreja Adventista depende da sua compreensão do Santuário e sua relação com o ministério sumo-sacerdotal de Cristo. Talvez por esta razão durante toda a história da Igreja muitos tem levantado críticas contra esta doutrina. A última delas foi feita pelo teólogo australiano Dr. Desmond Ford no começo da década de 1980, provocando grande impacto nos círculos adventistas, obrigando à Igreja a um profundo estudo das suas posições tradicionais, do qual, felizmente, saiu fortalecida teologicamente. Porém, isto nos mostra a necessidade de realizarmos um estudo o mais profundo possível nesta matéria para que a nossa fé possa estar baseada em firmes fundamentos e estejamos sempre prontos a dar a razão dela. Significado dos Sacrifícios A ideia de sacrifício aparece em toda a Bíblia. A primeira menção explícita de um sacrifício aparece em Génesis 4:3-5 (para alguns, a primeira evidência implícita da realização de um sacrifício se encontra em Génesis 3:21) e a última referência a tal assunto a encontramos em Apocalipse 22 onde Jesus é simbolizado por um cordeiro. No período patriarcal, os sacrifícios representam um profundo ato de adoração chegando a ser uma suprema demonstração de lealdade como no caso de Abraão ao estar disposto a sacrificar seu próprio filho, o filho da promessa. Estas mesmas componentes de adoração e lealdade estão presentes no relato dos sacrifícios oferecidos por Caim e Abel. No livro de Jó aparece um outro aspecto importante do sacrifício: o sacrifício pelo pecado. Jó tinha por costume oferecer holocaustos pelos possíveis pecados que seus filhos pudessem ter cometido (notemos também a atitude intercessora e, de alguma forma, sacerdotal do patriarca). Na economia de Israel, existiam diversos tipos de sacrifícios (oferta pacífica, sacrifício de comunhão, sacrifício pelo pecado, holocaustos diários, etc.) que reflectem os diferentes aspectos já mencionados. Mas apesar de toda esta riqueza temática encontrada na Bíblia acerca dos sacrifícios, podemos nos perguntar, por que Deus instituiu um sistema ritual aparentemente tão cruel? Responderemos esta importante pergunta especificamente no caso do sacrifício pelo pecado. No sistema de sacrifícios podemos identificar três ensinamentos básicos, a saber: A consequência do pecado é a morte. Como veremos com mais detalhes posteriormente, quando uma pessoa comum pecava devia sacrificar uma cabra (Levítico 4:27-29) . Cada vez que havia um pecado alguém (no caso, a cabra) tinha que morrer por causa desse pecado. “Sem derramamento de sangue não há remissão” (Hebreus 9:22) O pecador precisa de um substituto. Sabemos já que a consequência do pecado é a morte (Génesis 2:17, Romanos 6:23), mas também sabemos que todos nós somos pecadores e portanto estamos todos condenados a morte. Mas o ritual de sacrifício mostra que há um substituto, alguém que toma o lugar do pecador e recebe a penalidade no seu lugar permitindo que o pecador seja perdoado e viva. O horror do pecado. Sem dúvida o ritual do sacrifício era uma experiência dramática. O próprio pecador devia matar o animal sacrificado (Levítico 4:27-29) salientando dessa forma que a vítima inocente morria pela sua causa. Assim, Deus queria mostrar toda a malignidade do pecado. Ao ver os símbolos dos sacrifícios se realizarem na vida de Jesus não podemos escapar ao vívido pensamento de que foram nossos pecados que levaram o Filho de Deus a morrer numa cruz. Deus ordenou a Moisés que construísse um santuário onde através de rituais e cerimónias pudessem ser ensinadas as eternas verdades do evangelho. Hoje temos em Jesus o nosso grande Sumo Sacerdote, ministro do verdadeiro santuário (Hebreus 8:1,2), cumprindo todo aquilo que os velhos rituais anunciavam acerca d´Ele. É hora, portanto, de conhecer alguns detalhes deste sistema de adoração O Santuário
Descrição do Santuário O santuário construído no deserto ficava no centro da congregação, fato que realizava o desejo de Deus de morar no meio do Seu povo (Ex. 25:8). O santuário consistia em duas partes: o Átrio e o templo propriamente dito. Este último estava dividido em dois departamentos, a saber, o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo. Sua orientação era tal que sua porta olhava para o Leste. Desta forma o adorador, ao entrar no santuário, dava as costas para o sol nascente, tão adorado pelos povos pagãos. O Átrio O Átrio (ou pátio) era o único lugar do santuário onde podia entrar o adorador. Neste lugar eram também realizados os sacrifícios. Ao entrar, o adorador encontrava primeiramente o chamado Altar dos Holocaustos (Ex.27:1-8, 38:1-7), onde eram queimados os sacrifícios. Este altar era feito de madeira de acácia e recoberto em bronze. Em cada um dos seus quatro cantos havia uma ponta (Ex.27:2). Entre o Altar dos Holocaustos e a entrada do templo, havia uma pia de bronze na qual permanentemente havia água para que os sacerdotes lavassem os pés e as mãos antes de entrar no santuário ou antes de fazer o sacrifício (Ex. 30:17-21). Pelo fato de ser o átrio o único lugar onde podia estar o adorador e também o lugar onde era realizado o sacrifício, podemos dizer que o pátio do santuário representa a Terra. O Lugar Santo Se pudéssemos entrar no Lugar Santo, através do primeiro véu, perceberíamos a existência de três móveis no seu interior: O candelabro (no lado Sul), o altar de incenso (no lado Oeste) e a mesa com os pães da proposição (no lado Norte). O Candelabro O candelabro (Ex. 25:31-40, 37:17-24) era feito de ouro puro e tinha sete lâmpadas (de óleo) que deviam ficar permanentemente acesas. Em Apocalipses 1:12-13, João descreve Jesus andando entre sete candelabros e o verso 20 nos diz que os candelabros representam “as sete igrejas”. Portanto, somos autorizados a pensar que no simbolismo do candelabro de ouro podemos ver o Espírito Santo (o óleo) a actuar na Igreja possibilitando que seja “a luz do mundo”. O Altar de Incenso O Altar de Incenso (Ex. 30:1-10, 37:25-28), era, assim como o Altar dos Holocaustos, construído em madeira de acácia. Porém seu revestimento era de ouro puro. O Altar de Incenso tinha também pontas em cada um dos seus quatro cantos. Encontrava-se no Lugar Santo frente ao véu que separava o Lugar Santo do Santíssimo. Era aqui que os sacerdotes queimavam diariamente incenso como intersecção pelo povo de Israel. Este incenso queimado representava as orações dos santos (Apocalipse 8:4). A Mesa e os Pães da Proposição No lado Norte do Lugar Santo, encontrava-se a mesa onde eram colocados os Pães da Proposição. Esta mesa era feita de madeira de acácia e estava recoberta de ouro puro. Doze pães eram colocados sobre ela formando duas colunas de seis pães. Sobre cada coluna era colocado um copo com incenso (Lev. 24:7). O significado primário dos pães talvez tenha sido o reconhecimento de Deus como o grande provedor e da consequente dependência do povo. Mas uma segunda aplicação, de carácter messiânico, pode ser feita. Jesus declarou ser o pão da vida (João 6:35), portanto podemos pensar nos pães como símbolos de Cristo. É interessante constatar que Isaias nos informa que Lúcifer pretendeu colocar seu trono “no monte do testemunho, nos lados do Norte”, isto é, pretendia ocupar o lugar de Cristo. Lugar Santíssimo Após o segundo véu, estava o Lugar Santíssimo (Heb. 9:3), onde só o Sumo-sacerdote podia entrar e somente uma vez ao ano (no Dia da Expiação). Nesta parte de Santuário se encontrava a Arca da Aliança que continha as tábuas da lei (representando a justiça como um dos fundamentos do governo divino), um vaso com maná (que representa a graça de Deus dada através de Cristo, o verdadeiro maná, ver João 6:31-35) e a vara de Arão que brotou (que significa a aceitação do sacerdote como intercessor válido entre o homem e Deus, vide Números 17:8-10). Do lados da arca foi colocado o “livro da lei” para servir como testemunha contra o povo de Israel (Deuteronómio 31: 26). A arca (Ex. 25:10-22) era feita de madeira de acácia e estava completamente recoberta de ouro. Sobre ela, a modo de tampa, foi colocado o propiciatório, feito de ouro fino. Nas extremidades do propiciatório, foram feitas imagens de querubins (uma de cada lado). As asas dos querubins cobriam o propiciatório (formando um arco) e as fazes de ambos olhavam para o propiciatório. Era entre estes querubins que se manifestava a shekinah (a manifestação de Deus em forma de uma luz gloriosa). Neste sentido, a arca representava o trono de Deus. É interessante notar que em Génesis 3:24 Deus colocou querubins e a “chama de espada fulgurante” (Bíblia de Jerusalém) guardando a entrada ao Éden. Alguns comentadores vêem neste verso uma referência à shekinah manifestada entre os querubins. Desta forma, quando o adorador entrava ao átrio, ou os sacerdotes ministravam diariamente no Lugar Santo ou, com maior razão, o sumo sacerdote entrava no Lugar Santíssimo, era como se, simbolicamente, se aproximasse à entrada do Éden perdido. Comentários Adicionais Muitas pessoas tem-se sentido confusas pelo fato de que Hebreus 9:4 parece indicar que o Altar de Incenso estaria no Lugar Santíssimo e não no Lugar Santo como afirmamos anteriormente. Para entender esta aparente contradição devemos compreender a função do Altar de Incenso. Ao queimar incenso no altar, o sacerdote realizava uma obra de intercessão. Como veremos posteriormente, esta obra era realizada todos os dias. Isto por si só nos indica que o Altar de Incenso não poderia estar dentro do Lugar Santíssimo pois nele só podia entrar o Sumo-sacerdote e somente um dia no ano. Por outro lado, o véu que separava os dois departamentos do Santuário, não chegava até ao tecto. Isto permitia que o fumo produzido pela queima do incenso chegasse até o Lugar Santíssimo, indicando desta forma que as orações e a intercessão chegavam até o trono divino. Vemos portanto que na sua função o Altar de Incenso estava intimamente relacionado ao Lugar Santíssimo, tanto que era possível pensar que fazia parte dele. É neste sentido que o Lugar Santíssimo “tinha”o Altar de Incenso, não que estivesse no seu interior, mas que estava a sua disposição. O Sacerdócio Tão importante quanto a estrutura do Santuário é o tema do sacerdócio (infelizmente, por limitações de espaço nos referiremos a ele brevemente). Todo o sistema de culto centralizado no Santuário está baseado no princípio que o homem pecador não pode viver por si só perante um Deus santo. Da mesma forma o pecado impede que o homem se aproxime a Deus livremente. Precisa de um representante, um mediador, um intercessor. Para realizar esta labor Deus chamou homens a actuarem como sacerdotes. No período anterior a Moisés o chefe da família (e em alguma medida o primogénito) realizava funções sacerdotais. A Bíblia menciona, por exemplo, como Abraão construía altares e realizava sacrifícios. Mas o texto sagrado menciona neste período sacerdotes propriamente ditos como Melquizideque. Quando Israel estava no deserto Deus chamou a Arão e os seus descendentes para o ofício sacerdotal. Eles deviam ter uma especial consagração a Deus e cumprir com as formalidades do culto (para ver algumas das normas de santidade dos sacerdotes referimos a Levítico 21). As vestes do Sumo Sacerdote (Lev. 28) eram ricas em simbolismo, mas por falta de espaço só consideraremos o peitoral e as pedras de ónix. O peitoral era uma rica peça quadrada onde foram colocadas doze pedras preciosas e cada uma levava inscrito o nome de uma tribo de Israel. O peitoral era colocado na altura do peito do Sumo-sacerdote, desta maneira se indicava que o povo estava perto do seu coração. Adicionalmente, sobre cada ombro do Sumo-sacerdote havia uma pedra de ónix e em cada uma delas estavam escritos os nomes de seis tribos de Israel: o Sumo-sacerdote levava o “peso” do povo sobre os seus ombros. Tudo isto era para mostrar que para todos os efeitos de culto, o sacerdote era o representante de todo o povo perante Deus. Quando o sacerdote entrava no Santuário, era como si todo povo entrasse com ele. O sacerdote era o representante e o intercessor. O livro de Hebreus (Heb. 8:2) nos ensina que Cristo é o nosso Sumo Sacerdote. Isto o torna o nosso único representante e intercessor perante Deus (I Tim. 2:5). Através d´Ele temos acesso a Deus e podemos entrar junto com Ele ao interior do Santuário Celestial (Heb. 10:19) Consagração do Santuário Uma vez construído o Santuário, deviam ser realizadas cerimónias de consagração tanto dos sacerdotes (Ex.29:1-37, Lev 8:1-36) e do próprio Santuário (Ex. 40:9-11). Todos os móveis do templo (tanto do Lugar Santíssimo, do Lugar Santo quanto do Átrio) deviam ser ungidos com o “ óleo da unção”. Esta obra foi realizada por Jesus no Santuário Celestial (Dan. 9:24). Serviço Diário
Serviço no Lugar Santo Cada dia o sacerdote devia cumprir as cerimónias realizadas no Lugar Santo. Todas as manhãs o sacerdote devia queimar incenso no altar de ouro e por “em ordem as lâmpadas” (Ex.30:7). Todas as tardinhas o sacerdote voltava a queimar incenso e ascendia as lâmpadas do candelabro. Já foi dito que o incenso representava as orações dos santos e que a luz nas lâmpadas representavam a acção do Espírito Santo na igreja de todos os tempos. O ascender inicial das lâmpadas foi cumprido por Jesus ao enviar sobre a igreja apostólica o Consolador (o Espírito Santo) no dia de Pentecostes (Actos 2). Mas assim como o sacerdote mantinha as lâmpadas permanentemente acesas, também o dom do Espírito Santo está constantemente sendo oferecido a nos. Os Holocaustos Diários Cada dia eram oferecidos em holocausto dois cordeiros de um ano. O primeiro cordeiro era sacrificado pela manhã e era queimado no Altar dos Holocaustos até a tardinha quando era sacrificado o segundo cordeiro que era queimado ate a manhã (Ex.29:38-46, Num. 28:1-8). Este era o chamado holocausto contínuo e, como os demais serviços diários, representava a contínua intercessão de Cristo em nosso favor. Sacrifício pelo Pecado Como já mencionamos anteriormente, o sacrifício pelo pecado fazia parte importante do ritual do Santuário e portanto passaremos a descreve-lo com detalhes. Perceberemos também como são ilustrados os princípios de substituição e transferência presentes em todo este sistema de adoração e, mais importante ainda, em todo o plano de salvação. Ao estudar este assunto vemos a existência de quatro casos a ser considerados. Quando o Sumo-sacerdote Pecava (Lev. 4:1-12) O Sumo-sacerdote representava o povo de Israel perante Deus, portanto se ele pecava todo o povo se tornava culpado (Lev. 4:3) e ficava sem intercessor. Neste caso, o Sumo-sacerdote devia tomar um novilho sem defeito e colocar a mão sobre a cabeça do novilho. Em este ato, o sacerdote confessava o pecado, demonstrava confiança no substituto inocente (o novilho, representando a Cristo) e transferia o pecado para o substituto. Em seguida, o sacerdote imolava o novilho e parte do sangue era levado ao lugar Santo e espargido sete vezes no véu que separava o Lugar Santo do Santíssimo (de alguma forma, o véu fazia as vezes de intercessor), o sacerdote colocava parte do sangue nas pontas do Altar de Incenso. Desta forma o pecado era transferido ao Santuário. O restante do sangue era derramado aos pés do Altar dos Holocaustos representando assim o sangue de Jesus derramado no Calvário. A gordura e os rins do novilho eram finalmente queimados no altar. Quando a Nação Pecava (Lev. 4:13-21) Neste caso, o procedimento era igual ao caso anterior com a única diferença que eram os anciãos do povo quem colocavam as mãos sobre o novilho. Quando um Príncipe Pecava (Lev. 4:22-26)
Quando era um príncipe quem pecava, devia levar um bode sem defeito, colocar a mão sobre a cabeça do bode (com o mesmo significado que nos casos anteriores) e imolá-lo. Então o sacerdote tomava o sangue e parte dele era colocado nas pontas do Altar dos Holocaustos e o resto era derramado aos pés do mesmo altar. Notemos que a diferença dos casos anteriores, o sangue não foi levado dentro do Lugar Santo, portanto o sacerdote devia comer da carne do animal para que então o pecado fosse simbolicamente transferido ao sacerdote (vide Lev. 10:17-18). Novamente, a gordura era queimada no altar. Quando uma Pessoa Comum Pecava (Lev. 4:27-35) Neste caso o pecador devia levar, dependendo de sua condição social, uma cabra ou uma cordeira sem defeito. O restante do ritual era semelhante ao caso anterior. Observações Em todos os casos o pecador devia manifestar confiança num substituto. Em todos os casos os pecados eram transferidos à vítima e ao santuário ou ao sacerdócio. Os cargos de maior responsabilidade exigiam uma oferta maior. O pecado dum líder supõe uma gravidade maior pois afecta a toda a nação. Os mais humildes não estavam excluídos. Todos podiam oferecer pelo menos uma cordeira. Jesus é o Cordeiro de Deus, a oferta que esta ao alcance de todos. O Serviço Anual Além do serviço diário, existia na economia israelita uma série de festas e convocações solenes que constituíam o calendário eclesiástico e que chamaremos o serviço anual do Santuário. Este serviço anual acha-se descrito mais sistematicamente no capítulo 23 do livro de Levítico. A Páscoa (Lev. 23:4-5, Ex. 12)
A primeira destas festas era a Páscoa (Pesakh). Era realizada no dia 14 do primeiro mês (Nisã ou Abib). A primeira Páscoa foi realizada por ocasião da saída do povo israelita do Egipto, evento que passou a comemorar. No décimo dia do mês, era escolhido um cordeiro de um ano e sem defeito. Na tardinha do décimo quarto dia o cordeiro era morto e assado. A carne devia ser comida pela família aquela mesma noite com pães sem fermento e ervas amargosas. Na primeira Páscoa, as portas deviam ser ungidas com sangue do cordeiro para que a família seja libertada da praga da morte do primogénito. A palavra-chave desta cerimónia é libertação. Por esta razão se torna um tipo do sacrifico de Cristo. Jesus nos liberta da escravidão do pecado e da sentença de morte que pesava sobre nós. Mas para isso Seu sangue precisava ser derramado e Seus méritos aplicados a nós pela fé.

Os Pães Ázimos (Lev. 23:6-8) Continue Lendo...